sábado, 26 de junho de 2010

Gavin Arvizo e Jordan Chandler: Como destruir a carreira de um astro.

Ontem a noite passou no SBT o clipe-que-queria-ser-filme Moonwalker. Não é pra menos, pois faz um ano que o Michael Jackson, o Rei do Pop (esse homem vendeu UM BILHÃO de discos) faleceu e vocês sabem, o cara morrer não significa que ele não vai continuar gerando dinheiro, muito pelo contrário, especialmente em se tratando de Michael Jackson.

Enfim, MJ em seus últimos anos era conhecido mais por ser um tarado molestador de crianças do que o artista que mais vendeu discos em toda a atualidade. Que teve inúmeros processos na justiça americana, envolvendo acusações de ter abusado de criancinhas (reforçado por declarações infelizes do próprio astro no Living With Michael Jackson de que dormia com crianças e não via nada de mais nisso) - ou seja, o tempo dele tinha passado e agora era ladeira abaixo pro lamaçal.

Não vou entrar no mérito de discorrer sobre a vida do cantor e suas supostas bizarrices. Na internet já tem bastante fonte sobre o assunto.

Mas,nadando contra a corrente da opinião geral, primando pelo enfrentamento de idéias, eis que, vasculhando na net sobre a vida do cantor após assistir o Moonwalker, descubro que rolou uma suposta carta de Jordan Chandler um dos meninos que diz ter sofrido abusos sexuais de MJ, onde encontra-se os seguintes dizeres:
Jordan Chandler e Michael Jackson no passado.
“I never meant to lie and destroy Michael Jackson but my father made me to tell only lies. Now i can’t tell Michael how much i’m sorry and if he will forgive me. Now for the first time i can’t bare to lie anymore. Michael Jackson didn’t do anything to me, all was my father lies to escape from being poor.”
Jordan Chandler

Jordan Chandler hoje.
Traduzindo:
"Eu nunca quis mentir e destruir Michael Jackson, mas meu pai me fez dizer apenas mentiras. Agora, eu não posso dizer a Michael como eu estou arrependido e se ele me perdoará. Agora, pela primeira vez, não posso mais carregar esta mentira. Michael Jackson nunca fez nada comigo, tudo foi mentiras de meu pai para escapar da pobreza."
Jordan Chandler
Sei que a tradução tá bizarra, mas é que a carta foi mal-escrita e há suspeitas de ser uma armação feita por fãs inconformados, vai saber.
A única certeza disso tudo é que Azja Prior, mãe do filho de Chris Tucker , que foi testemunha de defesa do Rei do Pop nos tribunais em 2005 escreveu uma carta exigindo que a família Arvizo removesse todas as acusações de que MJ teria molestado Gavin Arvizo (outro envolvido no mesmo esquema de acusar MJ de molestar crianças).

Gavin Arvizo e Michael Jackson
***
Caro Gavin, Star, Davellin, e Janet:

Depois da morte trágica de Michael na semana passada, tenho a dizer que todos os sentimentos negativos que eu tinha para com sua família após as escandalosas reclamações feitas por você Gavin e sua mãe Janet - contra Michael - voltou imensamente. A dor, a decepção, a raiva, a traição que eu sinto por você simplesmente não pode ser posta em palavras.

Você tem mostrado que a sua ganância e mentiras, anulam qualquer ganho pessoal "moral" que a sua família alega ter, e provou ser a espécie de pessoas capazes de virar as costas a própria pessoa que veio ao seu socorro quando você estava mais desesperado.

O fato de você ter falsamente acusado Michael dos mais hediondos atos, fazendo da sua vida um inferno em que se tornaria os seus últimos anos é impensável, e tenho a certeza alguns diriam, imperdoável. Em suas tentativas para destruí-lo mais uma vez, você, Gavin, acusou o homem que você chamou o seu "melhor amigo" da uma coisa que você (e todos os outros) sabia que iria transformar completamente a sua vida de dentro para fora.

Você tomou a uma coisa que todos nós sabemos que Michael se preocupou a maior parte da vida - crianças, especialmente as crianças que estão sofrendo, e você tentou transformá-lo em uma coisa má. Janet você, como mãe, permitiu isso, encorajou isso, e foi em frente com a terrível tentativa de destruir Michael Jackson por vigarice e dinheiro.

Que vergonha!

Este homem não fez nada além de ajudar a sua família em suas horas mais sombrias. Sei disso porque Michael era como minha família. Fomos todos puxados para a sua mísera história e partilhamos do sofrimento da sua família quando Gavin lutou por sua vida durante a sua batalha contra o cancer. Gavin, você me disse que o amor de Michael ajudou você a se curar do câncer.

Sua família inteira elogiou Michael em privacidade a todos que queriam ouvir, mas vocês se voltaram contra ele, tão viciosamente em público. Tenho permanecido em silêncio por muitos anos, mas já não posso fazê-lo. Agora eu luto para encontrar a expressão adequada para escrever esta carta, como eu estou tão cheia de raiva de você e dor para com a família Jackson.

Chamas-te cristãos. Se isto é verdade, peço-lhe, Gavin, e sua mãe Janet para finalmente fazer a coisa certa para o Michael na morte, que nunca se fez durante seus dias aqui na terra. Você precisa exonerar Michael completamente do nome e do legado horrível e nojento das alegações que você fez contra ele.

Reclamações e denúncias que você e eu sabemos que são completamente falsas e completamente ridículas. Seja qual for a sua motivação no momento para criar tais acusações são agora sem importância.

É muito maior do que você.

Estamos falando sobre o legado do homem, um homem que vive positivamente e que tocou em todo o mundo. Um homem que é provavelmente o maior entertainer que o mundo nunca vai conhecer. Michael é alguém que partilhou a dor da sua família, abriu sua casa para você e você e o incluiu na sua própria família. Ele era um ser humano que nunca mereceu isso.

Gavin e Janet, vocês podem mudar as suas identidades e tentarem se esconder da opinião pública, mas em última análise, vocês não podem se esconder da ira de Deus. Esta é a coisa certa a fazer. É o mínimo que podem fazer para Michael, seus filhos, e seu legado.

Gavin está agora com 19 anos, um rapaz impressionável que sob a orientação da sua mãe, um peão que está presente em um grande esquema para assassinar o personagem Michael. Eu conheço o teu coração, e sei que você é capaz de fazer aquilo que é justo. Limpar o nome de Michael das terríveis acusações de uma vez por todas. Você deve isso a ele. Você deve isso à sua família. E você deve isso a Deus. Vamos finalmente dar a Michael completamente a possibilidade de descansar em paz.

Azja Pryor
Julho de 2009

Chris Tucker tem bom gosto... essa Azja Pryor é uma bela morenaça!
Mas, não vamos ficar só nisso né? Na minha constante pesquisa, encontrei algo igualmente curioso: um artigo escrito pela revista internacional GQ , da autoria de Mary A. Fischer e publicado aqui no Brasil pela VIP .
Isso e a declaração feita por Macaulay Culkin de que era um "absurdo" as acusações de sexo com crianças é que sepultou de vez qualquer dúvida sobre a inocência do Michael na questão.
Eu posso estar errado no futuro. Talvez o MJ realmente tenha "encostado" o dedo no menino (se é que me entende...), mas até o momento, não consigo deixar de pensar que ele foi vítima da má intenção e da cobiça alheia.
Enfim, tirem suas conclusões sobre o Michael com este belíssimo artigo da GQ.
(Agradecimentos ao extinto fórum do Michael Jackson, o Rei do Pop , de onde eu tirei o artigo através de um Cache do Google).
* * *
Culpado?
Por Mary A. Fisher
O relato completo do que houve com o pop star pode provar sua inocência na acusação de abuso sexual.

A denúncia de que o pop star Michael Jackson teria molestado sexualmente um garoto de 13 anos desabou como uma bomba sobre sua carreira multimilionária.

Motivou uma ação judicial repleta de lances do melhor estilo hollywoodiano, duas investigações criminais em que foram ouvidas mais de 200 testemunhas, entre as quais trinta crianças, e um desavergonhado circo montado pela mídia do mundo inteiro. Jackson, por sua vez, processou alguns de seus acusadores por extorsão. No final as ações terminaram num acordo, que custou ao cantor algo em torno de 20 milhões de dólares.

Desde agosto passado, Jackson voltou ao noticiário, quando se casou com a filha de Elvis Presley, Lisa, e envolveu-se com noticias de que já estaria prestes a se separar. O caso com o garoto, contudo ainda pesa, parecendo indicar um daqueles episódios de excesso de imprensa, em que nunca foi verdadeiramente ouvida a defesa do cantor. Claro que é impossível provar que nada aconteceu entre Jackson e o garoto. Mas é possível fazer uma análise das pessoas que o levaram a julgamento e mergulhar no seu caráter e motivos. O que emerge desse exame, com base em documentos, entrevistas e gravações, convence que Jackson não molestou ninguém, e que pode ter sido ele próprio à vítima de um plano com a intenção de extorqui-lhe dinheiro.
Os problemas de Jackson começaram quando sua van quebrou no Wilshire Boulevard, em Los Angeles, em maio de 1992. Parado no meio da rua, estrangulado no pesado tráfego, ele foi percebido pela mulher de Mel Green, funcionário da Rent-a-Wreck, agência de guinchos localizada a 1 milha dali. Green foi socorre-lo. Quando Dave Schwartz, dono da empresa, ouviu que Green estava trazendo Jackson para seu estabelecimento chamou sua esposa, June, e o filho do seu casamento anterior dela, um garoto de 12 anos. Quando Jackson chegou, June contou-lhe como seu filho havia lhe enviado um desenho quando ele sofrera queimaduras durante um comercial da Pepsi. E lhe deu seu telefone de casa. "Parecia que ela estava empurrando o garoto para cima dele", lembra Green. "Acho que Jackson pensou que lhe devia algum favor, e foi assim que tudo começou".

Certos fatos sobre o relacionamento entre o cantor e o menino não são controversos. Jackson passou a telefonar para ele. Ficaram amigos. Três meses depois, ele e a mãe eram convidados habituais de 'Neverland', o rancho do artista no condado de Santa Barbara. No ano seguinte, Jackson cobriu o garoto e sua família de atenções e presentes – relógios, brinquedos caros e viagens. Por volta de março de 1993, Jackson e o garoto estavam freqüentemente juntos e começaram a s noites em que dormiam na mesma cama. June se tornou íntima do cantor e "gostava demais dele, porque era o homem mais gentil que conhecera", segundo um amigo.

As excentricidades do pop star eram de domínio público: todo mundo sabia de sua obsessão por refazer o rosto através de cirurgias plásticas e de sua preferência pela companhia de crianças. E embora possa soar pouco usual que um homem de 35 anos dormisse com uma criança de 13 anos, a mãe do garoto e os amigos de Jackson nunca se preocuparam com isso. O comportamento de Jackson é bem mais compreendido uma vez posto no contexto de sua própria infância, sempre cercado de adultos, mergulhado em estúdios e sob a pressão do pai, Joe, conhecido por bater em seus filhos. "Ele nunca teve uma infância", diz Bert Fields, ex-advogado de Jackson. "Está tendo uma agora. Seus companheiros são crianças de 12 anos. Adoram brincar de guerra de travesseiro."

Em principio, o envolvimento de Jackson com o garoto foi bem recebido pela sua mãe, seu padrasto e seu pai biológico, Evan Robert Chandler. Nascido no Bronx, em 1944, Chandler seguiu os passos do pai e dos irmãos e se tornou dentista. Mas sonhava em ser escritor. No final da década de 70, na esperança de se tornar roteirista de cinema, mudou-se para Los Angeles com a mulher, June. Mais tarde, morou em Nova York, mas não conseguiu vender um único roteiro e voltou para LA na década de 80, quando seu filho já tinha nascido e a vida conjugal andava com problemas. Divorciaram-se em 1985. A custódia da criança ficou com a mãe, e a corte estipulou que Chandler lhes pagasse a pensão de 500 dólares ao mês. Documentos revelam, contudo, que em 93, quando o escândalo veio à tona, ele lhes devia 68 mil dólares – dívida que ela deixou de cobrar. Apesar de enfrentar problemas com o processo de uma modelo que o acusaria de negligência médica, sua carreira ia bem. Conseguiu estrear em Hollywood, co-assinando com Mel Brooks o roteiro de uma comédia sobre Hobin Hood.

Até que Jackson entrasse na vida de seu filho, Chandler não demonstrava muito interesse pelo menino. A clinica odontológica o mantinha ocupado e ele havia formado uma família com a segunda mulher, advogada de empresa, e de dois filhos. Desde logo, Chandler encorajou o relacionamento do filho com Jackson e chegou a pressioná-lo para que passasse mais tempo com o menino em sua casa. De acordo com fontes, sugeriu até que Jackson que construísse mais um cômodo ali. Depois de verificar junto ao departamento de zoneamento que aquilo não poderia ser feito, simplesmente sugeriu a Jackson lhe construísse uma casa nova. Quando o cantor levou o menino e June para Mônaco, na cerimônia do World Music Awards, entretanto, Chandler passou a enciumar-se. "Ele se sentiu jogado para escanteio", diz Michael Freeman, ex-advogado de June Chandler Schwartz. Quando voltaram, Jackson e o menino fizeram a Chandler uma visita de cinco dias – o que lhe agradou – e na qual dormiram juntos com o meio irmão do garoto. Embora Chandler tenha admitido que Jackson e seu filho sempre tenham dormido vestidos, foi nessa época que levantou suas suspeitas de que tivesse ocorrido alguma transgressão sexual. Em nenhum momento Chandler alegou ter flagrado qualquer abuso por parte de Jackson.
Em meados de 1993, Dave Schwartz, que até então era amistoso com Chandler, secretamente gravou uma conversa telefônica entre eles. Durante a ligação, o dentista falou da sua preocupação com o filho. Quando Schwartz perguntou o que Jackson teria feito, Chandler respondeu que ele "havia desestruturado a família. [O menino] foi seduzido pelo poder e pelo dinheiro desse sujeito". Em outro lugar da fita, Chandler revelou que estava preparando uma armação para Jackson. "Está tudo arranjado", disse. Explicou que teria pago pessoas para dizer "certas coisas", num "plano só meu".
E finalizou: "Se eu for adiante com isso, ganho uma bolada. June perderá [a guarda do menino]e a carreira de Michael será arruinada". Schwartz, então, perguntou: "Em que isso ajuda o garoto?", ao que Chandler respondeu "Não me interessa". Em vez de ir a polícia, Chandler foi a um advogado:Barry Rothman. "Peguei o advogado mais calhorda que pude encontrar", Chandler disse na conversação gravada por Schwartz. "Tudo o que ele quer é levar isso a público o mais rápido que puder, e humilhar tantas pessoas quanto puder. Ele é um calhorda, é inteligente e adora publicidade."

Dono de um escritório de advocacia em Century City, Rothman negociara contratos para conjuntos como Rolling Stones e The Who. Fez tantos inimigos na sua carreira que sua ex-mulher disse a seu advogado admirar-se de que não tivessem ainda
"acabado com ele". Sua ficha no final década de 80 registrava mais de vinte processos civis e reclamações trabalhistas. Nos últimos anos, havia criado uma complexa rede de contas no exterior e empresas fantasmas para ocultar seus bens. Em 1992, o Tribunal Estadual adotou medidas disciplinares contra ele a partir de um conflito com Muriel Metcalf, a quem defendia num processo de custódia e que o acusava de incluir despesas fictícias em sua conta. Em novembro, seu escritório abriu falência com uma divida estimada em 880 mil dólares e nenhum bem declarado.

Aliado a este homem, em junho de 1993, Evan Chandler começou a colocar seu "plano" em prática. Procurou a ex-mulher e revelou a ela suas suspeitas. "June achou que era tudo bobagem", diz seu ex-advogado, Michael Freeman. Ela ainda comunicou que planejava tirar o garoto da escola no outono para que pudessem acompanhar Jackson na turnê mundial do show Dangerous. Segundo várias fontes, Chandler ficou furioso e ameaçou levar a público as provas que alegava ter contra o cantor. "Que pai, em sã consciência, ia querer colocar seu filho em evidência num caso como esse?", pergunta Freemam. "O normal seria proteger a criança, e não expô-la."

Jackson pediu a seu advogado, na época Bert Fields, para intervir. Fields colocou em ação o investigador Anthony Pellicano. Dave Schwartz deram a fita para Pellicano escutar. "Depois de ouvir 10 minutos de gravação, percebi que se tratava de extorsão", diz Pellicano. No mesmo dia, procurou o filho de Chandler no condomínio de Jackson em Century City. O cantor não estava em casa. Pellicano interrogou o garoto: "Michael já tocou em você? Alguma vez você o viu nu na cama?" A resposta sempre foi não. Em 11 de Julho, Chandler partiu para a etapa mais avançada do jogo. Pediu a June para ficar com o filho durante uma semana, com a promessa de Rothman de que o menino seria devolvido no prazo combinado. Não voltou.

Foi durante o período em que Chandler tomou o controle do filho, isolado da mãe, do padrasto e dos amigos, que as acusações contra Jackson tomaram forma. Para basear sua denúncia, ele procurou a opinião de um especialista, Mathis Abrams, psiquiatra em Beverly Hills. Pelo telefone, apresentou a Abrams uma situação hipotética. Sem nem mesmo ter encontrado a criança ou o pai, o psiquiatra enviou como resposta uma carta com duas páginas em que afirmava "haver suspeitas razoáveis da ocorrência de abuso sexual". Importante, ele afirmava que se aquele fosse um caso real, e não hipotético, deveria ser denunciado ao departamento de menores.
Até então, não haviam sido feitas exigências ou acusações formais contra Michael Jackson. EM 4 de agosto de 1993, no entanto, Chandler e o filho reuniram-se com Jackson e o investigador Pellicano numa suíte do hotel West-Wood Marquis. Ao ver o cantor, segundo Pellicano, Chandler deu-lhe um forte abraço (gesto improvável para um pai, que estaria abraçando a pessoa que molestara seu filho), depois tirou do bolso a carta do psiquiatra e começou a ler. O garoto baixou a cabeça e olhou para Jackson com uma expressão de surpresa, como se dissesse "eu não falei isso". No final do encontro, Chandler apontou para o cantor e o advertiu "Vou arruinar você".

Num encontro com Pellicano no escritório de Rothman, naquela noite, Chandler faria seu pedido: 20 milhões de dólares. Em 13 de agosto, houve outro encontro no escritório de Rothman. Pellicano fez uma contra-oferta. Chandler assinaria um contrato como roteirista por 350 000 mil dólares. Pellicano diz que fez a oferta como meio de resolver a disputa pela custódia do garoto e dar a Chandler uma oportunidade de conviver mais com ele, fazendo-os trabalhar no roteiro juntos. Chandler recusou.
Rothman fez uma nova demanda – um acordo por três roteiros, ou nada. Um ex- colega revelou o desapontamento de Chandler. "Quase fiz um negócio de 20 milhões", ouviram-no dizer a Rothman.

Antes de Chandler tomar controle de seu filho, o menino nunca alegara nada contra o cantor. Isso mudou um dia, no gabinete dentário de Chandler, em Beverly Hills. Na presença de Mark Torbiner, um anestesista dentário, foi administrado ao garoto a controvertida droga conhecida como Amytal sódico – que alguns erroneamente acreditam ser o soro da verdade. Foi depois dessa sessão que o garoto fez acusações contra Jackson pela primeira vez. Um jornalista da KCBS-TV reportou em 3 de maio daquele ano que Chandler havia usado a droga no filho, mas o dentista alegou que só a utilizou para extrair um dente da criança e que durante essa operação ela teria começado a falar. Perguntado se usou a droga, Torbiner respondeu "Se eu usei, foi para propósitos para tratamento dentário".

Utilizado para o tratamento de amnésia, o Amytal sódico foi administrado durante a Segunda Guerra Mundial a soldados traumatizados psicologicamente. Estudos a partir de 1952 descartaram que droga fosse um soro da verdade e demonstraram seu risco: falsas memórias podem ser implantadas em pessoas sob sua influência. "É bastante possível implantar uma idéia meramente fazendo perguntas", diz o reconhecido psiquiatra Phillip Resnick, de Cleveland. "A idéia pode se tornar memória, e, mesmo quando você fala a verdade para essas pessoas sob a influência do Amytal, elas continuam a jurar sobre a Bíblia que aquilo aconteceu". John Yagiela, coordenador do departamento de anestesia da Faculdade de Odontologia da Califórnia, esclarece: "O uso do Amytal sódico para extração de dentes não faz sentido quando há alternativas mais adequadas para esse tipo de cirurgia". Kenneth Gottlieb, psiquiatra de São Francisco, acrescenta: "Para usar uma droga desse tipo seria necessário ter ao lado um anestesista e um aparelho ressuscitador para o caso de uma reação alérgica"

Ao que parece, Chandler não se preocupou com nada disso. Confiou apenas na experiência de Torbiner (foi ele quem o apresentou a Rothman em 1991, quando o advogado precisava de um dentista). Sem possuir consultório próprio, Torbiner trabalha para outros dentistas, administrando morfina e Demerol a pacientes com dores não necessariamente relacionadas a dentes. Chegaria à casa de clientes – alguns célebres – carregando uma maleta de pesca cheia de medicamentos e seringas.
Depois do episódio com o soro da verdade, June resolveu lutar para conseguir a guarda do filho. Como reação, Chandler levou o garoto ao consultório de Mathis Abrams – o psiquiatra responsável pela avaliação hipotética de abuso sexual. Durante uma sessão de 3 horas, o menino afirmou que Jackson havia mantido relações sexuais com ele. Falou de masturbação, beijos, carícias nos mamilos e sexo oral. Mas não mencionou que tivesse havido penetração, o que poderia ter sido comprovado através de exames médicos. Obrigado por lei a relatar a acusação às autoridades, Abrams chamou uma assistente social do departamento de menores, que, por sua vez, contatou a polícia. Cinco dias depois, Michael Jackson já era o principal assunto do noticiário. Embora o circo estivesse armado, a imprensa ignorava a proporção das acusações contra o cantor. Um funcionário do departamento de menores então tomou a iniciativa de fornecer ilegalmente uma cópia do relatório a Diane Diamond, apresentadora do programa Hard Copy. Em seguida, o documento chegou a uma agência britânica de informações, que, por sua vez, vendeu cópias ao resto da imprensa. No dia seguinte, o mundo inteiro conhecia o documento com seus detalhes mais íntimos. "Quando estavam deitados lado a lada na cama, Michael Jackson colocou a mão dentro do short do menino", revela uma assistente social ouvida no relatório.

Depois, começaram a aparecer às testemunhas. Primeiro, Stella e Phillipe Lemarque, ex-caseiros de Jackson, que tentaram vender suas historias aos tablóides sensacionalistas com auxilio do agente Paul Barresi, um ex-ator de filmes pornôs. Pediram a bagatela de meio milhão de dólares, mas acabaram vendendo a entrevista ao inglês The Globe por módicos 15 000. Os Quindoys, que também tinham trabalhado na Terra do Nunca, usaram a mesma estratégia. Quando seu preço ainda estava em 100 000 dólares, disseram que, "na verdade, a mão de Michael Jackson estava fora das calças do menino". Assim que a quantia subiu para 500 000 dólares, a mão entrou novamente no short.

No início de novembro, dois guarda-costas do cantor deram entrevistas a Diane Diamond. No ar, ela garantiu que seus convidados não estavam recebendo nada para falar. No entanto duas semanas depois, descobriu-se que o Hard Copy negociava um pagamento de 100 000 dólares a cinco antigos seguranças de Jackson. Diane informou também aos telespectadores que os dois entrevistados haviam sido demitidos porque "sabiam demais sobre o relacionamento de Michael Jackson com os meninos". Na verdade, seus depoimentos posteriores, feitos sob juramente durante a investigação policial, não confirmaram essas denúncias. Em 15 de dezembro, foi a vez de a empregada Blanca Francia comparecer ao Hard Copy. Blanca contou que havia visto Jackson nu, tomando banho com garotos. O testemunho juramentado de Blanca, como os dos guardas, desmente essa versão. E esclarece que a empregada recebeu 200 000 dólares para ser entrevistadas no programa de televisão.

Durante todo esse período, a mãe do menino rejeitou as acusações feitas a Jackson. Mas depois de uma reunião com a polícia, em agosto de 1993, mudou de idéia. Os policiais Sicard e Rosibel Ferrufino argumentaram com ela que Jackson se encaixava perfeitamente no perfil clássico de pedófilo e que, portanto, teria motivos para molestar o garoto. O psiquiatra Ralph Underwager, que trata de pedófilos e vítimas de incesto desde 1953 em Mineápolis, discorda: "Não existe essa história de perfil clássico". Segundo ele, Jackson foi vítima de "equívocos que acabaram sendo tratados como verdades em conseqüência da histeria que existe hoje em torno do assunto". Phillip Resnick tem a mesma opinião: "Michael Jackson era um alvo perfeito para esse tipo de denúncia: é rico, extravagante, anda com crianças e demonstra certa fragilidade".

Nesse momento June se uniu a Chandler, temendo que a acusassem de negligência. Na seara dos advogados, no entanto, as coisas não iam bem. Vários defensores, de lado a lado, foram demitidos, rebaixados ou afastados do caso. No final de agosto Michael Jackson apresentou denúncias de extorsão contra Chandler e Rothman. A polícia não as levou a sério. Ao contrário do que havia sido feito com o cantor, não foram determinadas buscas na casa ou no escritório dos acusados nem se convocou um júri para discutir o caso.

Em setembro de 1993, Larry Feldman, advogado civil e ex-chefe da Associação dos Advogados Criminalistas de Los Angeles, passou a representar o filho de Chandler. E moveu uma ação contra Michael Jackson no valor de 30 milhões de dólares. Os lobos não tardaram a aparecer. Feldman recebeu dezenas de cartas dos mais variados tipos de pessoas alegando terem sido molestadas pro Jackson. Todas foram entrevistadas, mas nada se encontrou de positivo. Jackson resolveu juntar sua equipe de defesa um famoso advogado criminalista, Howard Weitzman. A partir de então, surgiu a conversa sobre um acordo amigável entre as partes. Do lado de Jackson, optou-se por não levar o caso a julgamento. O principal motivo estava na conhecida fragilidade emocional do cantor, que seria testada nos tribunais e utilizada pela imprensa. Ele participou ativamente da decisão de fazer o acordo, porque queria que tudo terminasse "o mais rápido possível". Em 25 de janeiro de 1994, concordou em pagar ao menino uma quantia não revelada. Especula-se algo em torno de 20 milhões de dólares. Evan Chandler, enfim, acabou conseguindo o que queria. Continua com a guarda do filho e tem, portanto, acesso a todo o dinheiro que o garoto receber.

VIP Exame / Janeiro 1995

9 comentários:

  1. Não acredito que um filho da puta como esses consegue acabar com a vida de um cantor.

    Esse planeta passou a girar em torno do maldito dinheiro, essa é a verdade.

    Se for assim, tomara que o planeta se exploda mesmo em 2012. Assim essa raça patética, inescrupulosa e cheia de filhos da puta conhecida como humanos seria ERRADICADA do mapa.

    Zero Dozer, que gostaria de ser um Sayajin mas não pode........

    ResponderExcluir
  2. Devo admitir que na época em que rolaram os boatos sobre MJ eu realmente acreditava nisso, mas era jovem de mais, e nem sabia muito sobre sua carreira fantástica, hoje vendo o modo como a mesa virou percebo como a mídia pode ser oportunista e inescrupulosa...

    Acho que independente de qualquer coisa, aqueles que apreciavam sua música e o admiravam de verdade sabem o que é verdade ou não. O resto só era excesso de bagagem, coisa que ele realmente não precisava naquele ponto em que tinha chegado.

    Obs.: ótimo vídeo

    ResponderExcluir
  3. Porque a família de Michael não investiga essas pessoas que o acusaram e as processam ??

    ResponderExcluir
  4. onde está esta gravação de telofone?? porque não a usaram?? a imprensa, por exemplo??

    ResponderExcluir
  5. Se querem relamente saber a verdade sobre os casos Chandler e Arviso entrem nos foruns de fã clubes, ao contrário do que pensam, há informações imparciais lá. Vários artigos, como o citado artigo da GQ, livros escritos pela secrtária do advogado de Chandles, Geraldildine Huges, o da jornalista Aprodite Jones que cobriu o julgamento em 2005. Michael não foi acusado várias vezes, apenas duas. Em 93 e em 2003. O que, akiás, segundo um pisiquiatra americano especialista em pedofilia demonstra a inverdade das acusações, pois não existe pedófilo com apenas duas vítimas, em um espaço de dez anos entre uma e outra. Pedófilos fazem cerca de 240 vóimas ao longo da vida.
    Quanto ao caso Arviso, foi a mentira mais mal contada da história. Michael conviveu com o garoto por dois anos, sem tocá-lo, para só fazer isso quando estava sob investigação?! Esse absurdo sem nenhuma lógica era a tese da acusação.
    Alguem poderia explicar pq as crianças que foram mais próxiams a Michael permaneceram suas amigas a vida toda? Como os írmãos Cassio e Amer? Vajam a entrevista dos Cassios para Oprah Winfrei. Vejam a netrevista de Donald Trump para Larry King, onde ele fala que Michael passava a tarde brincando com os filhos dele e que s acusações de pedofilia eram ridículas. Qual é? Ele brincava com os filhos de Trump sem nada fazer de errado, e depois fazia com outro menino? Issso não existe. Pedofilia é uma compulsão, a pessoa não se contém.
    A maior prova de que não havia nada de errado com Michael sãos os filhos dele. Eles o adoram, estão bem, foram bem educados. Uma pessoa pevertida jamis criaria crianças física e mentalmente saudáveis.
    Michael cometeu apenas um erro: se importar com os outros. Tivesse passado a vida toda olhando o próprio umbigo, estaria bem.
    os Arvisos não são uma família, mas uma quadrilha de estelionatários que praticaram golpes a vida toda, contra lojas, como a JC Penny, uma rede de supermercados, a cidade de Los Angeles e vários outros.
    Quanto a Chandler, esse fez o favor de se autodespachar para o inferno. Vcs sabem que ele deu um tiro na cabeça dias após a morte de Michael?
    Esse vídeo é nojento. Como alguém pode escrever umas barbaridades dessas? Michael não era pedófilo, ele foi inocentado em julgamento onde sua vida foi passada em u pente de dentes finíssimos, com dezenas de testemunhas e provas, por que insistem em acusá-lo?

    ResponderExcluir
  6. DaneJackson

    Assino embaixo de tudo que vc disse.
    E acrescento que a trajetória de vida do nosso querido Michael nos mostrou com muita clareza a falta de amor, de atenção, de empatia, de gratidão, de respeito entre os humanos. Mostrou também como as pessoas são facilmente manipuláveis...basta uma pessoa inescrupulosa, ambiciosa... totalmente sem caráter, criar um boato contra alguém em evidência, (tanto o acusador quanto a mídia) pronto...a maioria já passa a julga-lo e condena-lo sem prova alguma.
    Como puderam fazer isso com Michael?????
    E o pior é que até hoje há pessoas mal informadas, ignorantes, manipuláveis ou até mesmo maldosas...que ainda duvidam ou querem levantar dúvidas sobre a inocência de Michael...debochando, criticando, julgando e condenando-o com o teor de seus próprios conceitos purulentos...com o odor de seu próprio hálito.
    “As pessoas julgam as outras por si mesmas.”

    Na minha visão e na de muitos, Michael sempre foi a vítima, e quando foi julgado e inocentado pela Justiça Americana, ficou mais do que provado sua inocência. Fizeram uma varredura até desumana em Michael atrás de provas que nunca existiram.
    Na minha opinião, após a morte de Michael onde todas suas verdades vieram à tona...somente as pessoas não esclarecidas ou seja, ignorantes, manipuláveis...e pessoas maldosas que ainda insinuam ou duvidam de sua inocência.



    Michael...I love you more...L.O.V.E.

    ResponderExcluir
  7. Vendo um vídeo desses, nós, que acompanhamos a história de Michael nos dá um grande aperto no peito, ao ver a que ponto chega a crueldade humana, logo de início ve-se a falta total de educação pelo palavriado de baixo calão no refrão dessa droga imunda que postaram, e falta de responsabilidade ao esquecer de checar os fatos, é inadimissível que ainda tem gente de índole tão ruim que use a internet para denegrir um INOCENTE, esse parasita com certeza nada soube sobre as falsas acusações feitas a MJ, vcs não imaginam como a vida de Michael foi vasculhada, seu Rancho foi revirado como se fosse a residência de um bandido periculoso, seu corpo foi desnudo em uma situação vexatória perante testemunhas, o que seria um trauma eterno para qualquer um de nós, imagina para Michael que era hiper tímido,e um homem íntegro, mas graças a Deus conseguiu passar por aquela provação, sua vida na época virou um inferno, fizeram quase o impossível para incrimina-lo. O jornalista investigativo Ian Halperin sempre achou Michael culpado, então resolveu investigar por contra própria e descobriu coisas absurdas e crueis de todos que o acusaram, e escreveu um livro que virou bestseller, e olha que esse homem sempre muito desconfiado, vasculhou fazendo até o que a polícia não fez, lendo esse livro vemos claramente que Michael esteve rodeado de bandidos, estelionatários, pessoas inescrupulosas, sem caráter algum, com um só objetivo arruina-lo financeiramente e destruir sua carreira, jamais a justiça americana e a mídia, racistas velados, inocentaria MJ, que sempre foi perseguido por ser negro,e ter chegado onde chegou, esqueceram porém que MJ tinha Deus, foi educado dentro dos preceitos religiosos e jamais faria mal a uma criança, enfim, MJ foi INOCENTADO, nada foi provado, porque ele nada fez, essas pessoas doentes de espíritos perturbadores sempre vão existir, porque fazem parte do lado podre da raça humana, o que me faz ter vergonha de pertencer a mesma raça deles, mas, muito me orgulho de ter feito parte do mesmo século em que Michael viveu e muito ter aprendido com esse grande ser humano que passou a vida fazendo caridades, enquanto esses calhordas vagabundos e fétidos vivem espalhando vídeos, fotos, tentanto ainda destruir esse astro, mero engano, eu como fã o defenderei até meus últimos dias, porque MJ foi o maior ser humano que existiu na terra, depois de sua partida, o mundo ficou muito pobre em todos os sentidos, portanto esses inúteis não conseguirão jamais apagar a estrela de um Humanitário, coitados querem mesmo é aparecer, mesmo sendo ridículos, idiotas e burros. R.I.P. MY ANGEL MICHAEL, I LOVE YOU!

    ResponderExcluir
  8. EU NUNCA ACREDITEI NESSA HISTÓRIA DA PEDOFILIA CONTRA O MAIOR IDOLO DA MÚSICA MUNDIAL,ESTÁ CHEIO DE PAIS E MÃES EMPURRANDO SEUS FILHOS PARA CIMA DE GENTE FAMOSAS É SÓ IR NOS BASTIDORES DAS TELEVISÕES DO MUNDO INTEIRO....UM ABSURDO....

    ResponderExcluir
  9. Esse é o lado ruim de ser uma pessoa de bom coração...todos ta apunhalam pelas costas e abusam da sua bondade,principalmente por dinheiro...pobre Michael,ele era muito bom para perceber que estava sendo usado,gggrrr eu queria da na cara desses viados >:(

    ResponderExcluir